Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

Musical Evangéico
No comando: Musical Evangélico

Das as

Coisa de Mulher
No comando: Coisa de Mulher

Das as

300bannerlateral01
No comando: Os 300 Gideões – Pr. Waldemar Doberstein

Das 20:00 as 22:00

300bannerlateral01
No comando: Os 300 Gideões

Das 20:00 as 22:00

Coruja de Sexta I
No comando: Sexta de Primeira

Das 22:00 as 00:00

Um amigo na madrugada
No comando: Um amigo na Madrugada

Das 00:00 as 04:00

café da manhã
No comando: Café da Manhã com Jesus

Das 06:00 as 08:00

WhatsApp Image 2019-10-29 at 09.12.20
No comando: Júlio César Show

Das 08:00 as 12:00

WhatsApp Image 2019-10-29 at 09.24.46
No comando: Show da 95

Das 12:00 as 14:00

Voz Missonária II
No comando: Voz Missionária

Das 14:00 as 14:30

Sem título
No comando: Clube do Louvor

Das 14:00 as 15:00

WhatsApp Image 2020-01-23 at 09.23.15
No comando: TARDE MÁXIMA

Das 15:00 as 17:00

WhatsApp Image 2019-12-04 at 18.00.10
No comando: Mundo Gaúcho

Das 17:00 as 19:00

58577572_2213722078719533_2788416450736422912_n
No comando: CONEXÃO VIDA

Das 18:00 as 20:00

CIBI
No comando: CIBI – Igreja Batista Independente

Das 22:00 as 00:00

Motoboy não faz entrega, dono de restaurante se revolta e mídia cria narrativa

Compartilhe:
socio-destrata-motoboy

 

Motoboy não faz entrega, dono de restaurante se revolta e mídia cria narrativa

Quem está com a razão?

A manchete do portal Metrópoles diz o seguinte: “Sócio de restaurante sobre entregador: ‘Pago R$ 140 mil de aluguel pra motoboy sentar aqui’”. Quem, portanto, assiste a gravação após ler a manchete e a matéria, tende a pensar que o empresário agiu de forma preconceituosa com o motoboy pelo simples fato de ele ser um motoboy.

Ou seja, que o empresário teria cometido discriminação. Todavia, não enxergamos dessa forma. É verdade que o empresário errou quanto à ética profissional quando ele se dirigiu de forma áspera ao motoboy, dizendo que ele não pisaria mais em sua loja. Mas isso não tem qualquer relação com preconceito pelo fato do profissional ser um simples entregador.

Segundo o Metrópoles, um entregador que estava no local e viu tudo contou que houve uma confusão por conta da demora no restaurante para preparar um pedido, e o motoboy, após esperar por mais de uma hora, se recusou a fazer a entrega. Ou seja, ele não estava carregando o celular naquele momento porque precisava, mas porque havia se recusado a prestar o serviço.

Entendemos o lado do motoboy, pois uma entrega atrasada poderia prejudicar a sua avaliação junto ao cliente da compra. Mas também entendemos que ele fez a pior escolha e agiu, também, de forma antiprofissional, pois em vez colaborar para amenizar a dificuldade do restaurante de fazer a entrega a tempo, prejudicou ainda mais o estabelecimento se recusando a entregar o pedido.

É óbvio, portanto, que ao ver que o seu produto não havia saído para entrega, e em vez disso estava parado ao lado do entregador que estava sentado carregando o celular, relaxadamente, o empresário iria se revoltar e criticá-lo. Se coloque no lugar dele, alguém que diariamente precisa gerar renda para pagar incríveis 140 mil mensais de aluguel.

É muito fácil criar uma narrativa em favor do trabalhador mais humilde, mas não podemos ser injustos e deixar de enxergar o lado do empresário, especialmente porque são pessoas e empresas como a dele que geram renda e trabalho para pessoas como os entregadores. Já pensou como deve ser a pressão para conseguir manter um restaurante funcionando e se pagando em plena pandemia, dentro de um shopping?

O simples fato do dono do restaurante ter saído ao encontro do entregador, no lado de fora do estabelecimento, para tratar sobre a demora de um único pedido, indica claramente o nível de preocupação que este empresário deve estar tendo para conseguir manter o seu negócio.

A tentativa da mídia de criar uma narrativa de discriminação contra a figura do entregador pelo simples fato do mesmo estar “sentado” é falsa e prejudicial para todos. A crítica do empresário foi pela não execução do serviço. Foi isso o que ele quis dizer, mesmo que tenha se expressado mal, e esta deveria ser a tônica da reportagem do Metrópoles.

Deixe seu comentário:

Redes Sociais

Blog da 90