Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

Coisa de Mulher
No comando: Coisa de Mulher

Das as

Musical Evangéico
No comando: Musical Evangélico

Das as

300bannerlateral01
No comando: Os 300 Gideões – Pr. Waldemar Doberstein

Das 20:00 as 22:00

300bannerlateral01
No comando: Os 300 Gideões

Das 20:00 as 22:00

Coruja de Sexta I
No comando: Sexta de Primeira

Das 22:00 as 00:00

Um amigo na madrugada
No comando: Um amigo na Madrugada

Das 00:00 as 04:00

café da manhã
No comando: Café da Manhã com Jesus

Das 06:00 as 08:00

WhatsApp Image 2019-10-29 at 09.12.20
No comando: Júlio César Show

Das 08:00 as 12:00

WhatsApp Image 2019-10-29 at 09.24.46
No comando: Show da 95

Das 12:00 as 14:00

Voz Missonária II
No comando: Voz Missionária

Das 14:00 as 14:30

Sem título
No comando: Clube do Louvor

Das 14:00 as 15:00

WhatsApp Image 2020-01-23 at 09.23.15
No comando: TARDE MÁXIMA

Das 15:00 as 17:00

WhatsApp Image 2019-12-04 at 18.00.10
No comando: Mundo Gaúcho

Das 17:00 as 19:00

58577572_2213722078719533_2788416450736422912_n
No comando: CONEXÃO VIDA

Das 18:00 as 20:00

CIBI
No comando: CIBI – Igreja Batista Independente

Das 22:00 as 00:00

Confederação Israelita repudia “acusações preconceituosas” de Ciro Gomes contra judeus

Compartilhe:
ciro-gomes

 

A Conib (Confederação Israelita do Brasil) divulgou nota em que condena as declarações do ex-ministro Ciro Gomes de que empresas israelenses são corruptas.

As declarações foram dadas por Ciro nesta segunda-feira(7), através do Facebook. Ele chegou a acusar empresas israelenses de caixa 2 para o PSL na campanha eleitoral de 2018.

O presidente da confederação, Fernando Lottenberg, disse que Ciro fez “acusações genéricas e sem comprovação alguma contra judeus”.

“Em mais uma manifestação preconceituosa, o ex-governador Ciro Gomes decidiu acusar ‘empresas corruptas’ de Israel por suposto financiamento ilegal da campanha do presidente Jair Bolsonaro”.

Ciro Gomes criticou a atuação do Judiciário em investigações que apuram caixa 2 na campanha eleitoral do PSL em 2018, incluindo a do presidente Jair Bolsonaro, apesar de ele ter feito uma campanha com o uso de poucos recursos.

Para o pedebista houve dinheiro estrangeiro na campanha do candidato do PSL, com o objetivo de impulsionar publicações no Facebook. Ele também voltou a acusar Bolsonaro de ter pago para envio de mensagens em massa no WhatsApp.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu que não houve envio de mensagens em massa no WhatsApp, nem pagamento de empresas pelo serviço.

 

 

 

Fonte: Gospel Prime

Deixe seu comentário:

Redes Sociais

Blog da 90