Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

NOSTALGIA
No comando: Nostalgia

Das 11:00 as 12:00

Coruja de Sexta I
No comando: Sexta de Primeira

Das 22:00 as 00:00

Sem título
No comando: Clube do Louvor

Das as

Um amigo na madrugada
No comando: Um amigo na Madrugada

Das 00:00 as 04:00

café da manhã
No comando: Café da Manhã

Das 06:00 as 08:00

Raízes
No comando: Raízes

Das 08:00 as 09:00

Na Paz do Senhor
No comando: Na Paz do Senhor

Das 08:00 as 09:00

questions or decision making concept
No comando: Você pergunta, o Pastor responde

Das 08:00 as 11:00

MUSA MAIS
No comando: Musa Mais

Das 09:00 as 11:00

Coisa de Mulher
No comando: Coisa de Mulher

Das 11:00 as 12:00

Voz Missonária II
No comando: Voz Missionária

Das 13:30 as 14:00

Voz Missonária II
No comando: Voz Missionária

Das 14:00 as 14:30

Stand By Anderson
No comando: Stand By

Das 14:00 as 15:00

Gospel Hits
No comando: Gospel Hits

Das 15:00 as 17:00

039b3c3f-6706-48c3-8037-d3c08ac2d98e
No comando: Na Contramão

Das 15:00 as 17:00

MUNDOGAUCHO
No comando: Mundo Gaúcho

Das 17:00 as 19:00

familia
No comando: Familia Cristã

Das 20:00 as 22:00

300bannerlateral01
No comando: Os 300 Gideões – Pr. Waldemar Doberstein

Das 20:00 as 22:00

300bannerlateral01
No comando: Os 300 Gideões

Das 20:00 as 22:00

CIBI
No comando: CIBI – Igreja Batista Independente

Das 22:00 as 00:00

Atacante titular do Corinthians, Jô conta como conseguiu dar a volta por cima em sua carreira

Compartilhe:
Jô

 

Jô é campeão brasileiro de 2017 pelo Corinthians, um dos artilheiros da competição e candidato a melhor jogador do ano. Hoje evangélico, o atacante já havia sofrido com o deslumbre da fama, tornado-se alcoólatra e prejudicado a própria carreira e sua família.

Porém, após se converter, Jô – que jogou por grandes clubes, como o Manchester City, Internacional e Atlético-MG (onde conquistou a Taça Libertadores da América em 2013), e chegou a disputar a Copa do Mundo 2014 pela Seleção Brasileira – mudou de vida.

“Eu venho de uma família humilde. Meu pai minha mãe sempre trabalhando muito para colocar a comida em casa. Eu e meu irmão tínhamos o sonho de sermos jogador de futebol e meu pai sempre buscou isso junto com a gente. Depois, por uma infelicidade da vida, o meu irmão faleceu e interrompeu o sonho dele de ser jogador. Então ele me deu uma força maior para cumprir o que a gente conversava”, disse, relembrando a influência do pai.

A esposa do atacante, Claudia Santos, foi quem agiu para que o marido conhecesse o Evangelho, e passou a orar por ele todos os dias. “Foi no mundo que eu conheci o meu esposo, sem ter direção de Deus. Eu só tinha 22 anos e ele só tinha 18”, explicou Claudia.

“A minha carreira estava iniciando quando eu fui jogar na Rússia. Era muito novo, ganhava um salário muito bom para os jovem de 17 anos”, contou o atacante, contextualizando o que o levou ao vício nas bebidas e à promiscuidade.

Publicidade

Tecnosound

 

“Quando ele se casou comigo, ele se tornou uma outra pessoa. Ele bebia, ele traía e me enganava muito. Isso fez com que eu tivesse muita raiva dentro de mim”, disse ela, contando como viveu momentos conturbados.

Jô admitiu que a fama e as facilidades de uma vida com muito dinheiro o tiraram do chão: “A fama me corrompeu para que eu usasse álcool. Vivi uma vida totalmente sem direção eu achava que era dono do mundo e acabava fazendo as coisas. Aí veio o desrespeito, saía e não tinha hora para voltar, meus pais se preocupavam também. Eu não queria escutar ninguém”, contou.

O vazio existencial era disfarçado com a companhia de outras mulheres e muitas bebidas. Até mesmo em uma fase de grandes conquistas, como o título da Libertadores em 2013 e a convocação para a Copa do Mundo 2014, os problemas internos continuavam atormentando o atacante e seu relacionamento.

“As brigas continuavam dentro de casa e eu passei um ano sem fazer gol. Como atacante eu achava que tudo isso era uma fase, que ia passar, mas isso não foi acontecendo. Foi aí que deu um estalo”, contou. “O que que eu estou fazendo com a minha vida? Ela está indo para o buraco. O lugar onde eu fui artilheiro, hoje jornalistas estão falando mal de mim, os jogadores viram as costas para mim. Estou há um ano sem fazer gol estava”, prosseguiu, reproduzindo o pensamento que teve na época.

Segundo Claudia, o auxílio de pastores foi essencial para que Jô se abrisse e o casamento fosse restaurado: “Eles falavam: ‘Primeiro busque a Deus e as demais coisas vão ser acrescentadas’, mas eu não colocava meu marido para mim como as demais coisas, meu marido era meu marido. Eu tinha essa ignorância espiritual muito grande”, contou, afirmando que foi aconselhada de forma sábia por uma irmã na fé: “Ela falou: ‘Deus vai trazer seu marido transformado, porque quando a sua entrega for para Deus, Deus vai te dar o seu marido’. Lembro como se fosse hoje. Eu voltei com meu coração completamente rasgado para Deus’”, concluiu.

 

 

 

Fonte: Gospel Mais

Foto: (reprodução)

Postado por: Jean Doberstein

Deixe seu comentário:

Últimas noticias

Redes Sociais

Blog da 90

  • PRA FORA DA CAIXA

    Sou fraco demais para ficar sozinho

      Não foram poucas as vezes em que me senti sozinho, até mesmo naqueles momentos em que o coração implorava por companhias.   Quem me conhece sabe muito bem que sou o tipo de cara sociável, rodeado por... Leia mais

    Em 13/12/2017